Honestidade – uma herança inestimável

A cada dia que passa tem se tornado mais difícil confiar em alguém, seja para realização de atividades elementares como contar um segredo ou compartilhar um problema, ou quem sabe  para a consumar atos mais complexos como associar-se num negócio; quiçá confiar seus negócios às mãos de alguém. Dia após dia temos conseguido observar que a confiança recíproca é algo quase inviável de se estabelecer nas nossas relações sociais e comerciais, tendo em vista que os brasileiros já apreenderam a ideia de que a corrupção é um problema sistêmico e cultural.

Contudo, não se pode crer que todo indivíduo é produto do meio em que vive e, apesar de suas interações com o meio o afetarem parcialmente, devemos e podemos crer que nem todos os cidadãos brasileiros são desonestos; pelo contrário há milhares de exemplos de pessoas que subiram na vida e cresceram em grandes empresas sem puxar o tapete de ninguém. Outrossim, há também aqueles que cresceram a partir do lema da honestidade, ou seja, ganharam a confiança de seus clientes porque a honestidade era algo sagrado não só para os seus negócios, mas porque a tinham como essência de suas vidas.

Corroboro a afirmação do poeta William Shakespeare quando disse que “nenhuma herança é tão rica quanto a honestidade”. Desta simples frase podemos extrair três lições gloriosas:

1. a honestidade é mais que uma moeda de negócios, é um valor em si mesmo;
2. Heranças devem ser sempre alvo de zelo daqueles que a recebem, deve ser aplicada e investida na vida daquele que recebeu;
3. A honestidade por ser uma raridade, torna-se riqueza nas mãos daqueles que a possuem.

Continue Lendo
Luciano Lima Jr.
Postado por Luciano Lima Jr.
Em 18/04/17
Luciano Lima - Escritório de Advocacia © Todos os direitos reservados.